Volta ao passado para portadores do Mal de Parkinson

Descrição da imagem: ilustração de uma senhora com Parkison, em volta da imagem vários itens informando o que o Parkison causa nas pessoas.Passar a ferro uma peça de roupa e assinar o próprio nome são atos corriqueiros muitas vezes riscados da vida de quem sofre do Mal de Parkinson. Mas que podem ser reincorporados à rotina, por um bom período, graças a uma cirurgia. Batizada de Estimulação Cerebral Profunda (ou DBS, da sigla em inglês), a intervenção é capaz de “devolver” parte do controle motor a portadores da doença degenerativa. O resultado: mais autonomia e qualidade de vida.

O procedimento consiste na implantação de um ou dois eletrodos no cérebro. Conectados a uma espécie de marca-passo, emitem impulsos elétricos de alta frequência que reorganizam áreas do órgão ligadas a movimentos do corpo. A operação reduz a rigidez e os tremores nas mãos, braços e pernas, que também se tornam mais ágeis.

Na prática, é como se a doença regredisse e os pacientes recuperassem a condição que tinham tempos atrás. Uma mudança e tanto principalmente para quem manifestou os sintomas cedo, aos 50 ou 60 anos, e estaria fadado a viver por décadas com grandes limitações.

“O Mal de Parkinson é extremamente incapacitante, e o objetivo do DBS é melhorar a vida da pessoa. Muitas voltam a se alimentar sozinhas, fazer a própria higiene, cuidar da casa e escrever de forma legível”, diz o neurocirurgião Marcello Penholate, da Santa Casa de Belo Horizonte, traduzindo o porquê de a tecnologia favorecer a autoestima do doente.

Os “choques” não causam dor. Todo o circuito, inclusive o gerador, é imperceptível, pois fica sob a pele da pessoa. A regulagem do equipamento e da intensidade das descargas elétricas é feita pelo médico, com controle remoto.

RISCOS

Mas o método, oferecido pelo SUS e por convênios, restringe-se a um grupo específico de portadores de Parkinson.

É preciso ter pelo menos quatro anos de diagnóstico. Isso elimina a possibilidade de se operar um paciente que, na verdade, sofre de outra doença degenerativa. A pessoa também não pode estar com demência nem em estágio avançado da doença, pois o risco da intervenção não compensaria o resultado.

“Toda cirurgia oferece risco, inclusive o de morte”, lembra o neurocirurgião. Durante a operação para DBS, a possibilidade de hemorragia é inferior a 1% e a de sofrer um déficit definitivo, como perder a força de um lado do corpo ou passar a engolir e falar com dificuldade, varia de 4% a 5%. Já a chance de uma complicação no geral – rejeição aos componentes, infecção, etc – é de 8%.

– ‘Esperança para quem não tem praticamente nenhuma’

Por mais moderna e eficaz que a Estimulação Cerebral Profunda (DBS) seja, ela não representa a curado Mal de Parkinson nem um tratamento definitivo contra a doença neurológica progressiva.

Significa que os sintomas voltarão a se manifestar com maior intensidade em alguns anos, talvez mais de uma década. Ainda assim, o paciente terá vivido em condições melhores do que se não tivesse contado com o recurso.

João André da Costa, de 61 anos, tem certeza disso. Em 2008, começou a sentir tremores na mão direita e quatro anos depois foi operado. A cirurgia, conta, acabou com a dificuldade para escrever e se barbear, dentre uma série de atividades do dia a dia. “Valeu muito a pena”, diz o aposentado.

Presidente da Associação de Parkinsonianos de Minas Gerais (Asparmig), Janette Melo Franco relata o caso de um paciente submetido ao método em 2010 que afirma estar no melhor momento da vida desde a notícia da doença, há 12 anos. “Não há salvação para o Parkinson, mas a cirurgia é a esperança para quem não tem praticamente nenhuma”.

Quando a eficácia do tratamento elétrico cai, os médicos tentam compensar a perda aumentando a dose de remédios para o paciente.

CAMINHO

Em Belo Horizonte, a Santa Casa realiza a cirurgia, e o Hospital das Clínicas da UFMG também tem profissionais capacitados para tal.

O encaminhamento é feito a partir do Serviço de Distúrbios de Movimentos do HC/UFMG e do Ambulatório de Neurologia do Centro de Especialidades Médicas, após consulta agendada pela Central de Marcação do SUS.
No entanto, vale lembrar que a indicação para DBS é extremamente criteriosa, mesmo para quem se enquadra nos critérios iniciais – diagnóstico preciso e fase não aguda da doença.

Uma equipe formada por médicos, fonoaudiólogos, psicólogos e fisioterapeutas avalia o candidato, a capacidade dele de enfrentar o estresse cirúrgico – já que parte da intervenção acontece com o paciente acordado, sob efeito de anestesia local – e até a resposta individual a outros tratamentos.

“É que algumas pessoas se beneficiam mais com os medicamentos”, explica Marcello Penholate, cuja equipe operou, desde 2011, 36 pessoas – nove pelo SUS. A triagem pode levar até seis meses, e o custo estimado do procedimento é de R$ 200 mil.

Fonte: site do Jornal Hoje em Dia por Ana Paula Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website