Tema da redação do Enem 2017 fala sobre a educação de surdos no Brasil

O tema da redação do Enem 2017 é “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. O tema foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) no início da tarde deste domingo (5). A forma de correção da redação foi alvo de polêmica: após ter recurso negado no STF, MEC diz que acata decisão e que não vai anular redação contrária aos direitos humanos.

Foto da parte da prova onde estão as orientações para o desenvolvimento da redação.

A prova teve quatro textos motivadores diferentes. Um deles incluiu dados sobre o número de alunos surdos na educação básica entre 2010 e 2016. Outro apresentou um trecho da Constituição Federal afirmando que todos têm direito à educação. Um terceiro mostrou aos candidatos uma lei de 2002, que determinou que a Língua brasileira de sinais (Libras) se tornasse a segunda língua oficial do Brasil.

Além disso, um anúncio do Ministério Público do Trabalho que, segundo o site do MPT, foi publicado em 2010, abordou um quarto aspecto da questão: o fato de surdos seguirem excluídos por causa do preconceito, mesmo que tenham a formação educacional necessária para entrar no mercado de trabalho.

Tema pode surpreender candidatos

O assunto surpreendeu professores, que afirmaram que o essencial para tirar nota alta é focar na inclusão. No Twitter, quem acompanhava o debate sobre os possíveis temas ficou frustrado, já que a princial aposta era que a redação fosse tratar de homofobia.

Para Saray Azenha, professora de redação da Oficina do Estudante, de Campinas (SP), “a discussão dos surdos é importantíssima para a sociedade, mas não é muito trabalhada em âmbito nacional”. Já o professor Rodrigo Noronha, que dá aulas de redação no Sistema COC de Ensino, de Ribeirão Preto (SP), “o tema surpreendeu apesar de a mídia já vir veiculando a questão da correção histórica que sofre o surdo no Brasil”.

“É uma discussão pública acerca de um problema real do Brasil.” – Saray Azenha (Oficina do Estudante)

De acordo com Noronha, o tema da redação do Enem 2017 dificilmente deve ter sido trabalhado neste formato nas aulas dos colégios e cursinhos.

“Tendo em vista a amplitude temática em relação aos deficientes, pode ter sido trabalhado [nos cursinhos], mas especificamente sobre os surdos, acho que não.” – Rodrigo Noronha (Sistema COC de Ensino)

Rafael Pinna, coordenador de redação do Colégio de A a Z, do Rio de Janeiro, afirma que o tema mantém a tendência de temas já cobrados nos últimos anos pelo Enem, que são populações marginalizadas no Brasil. “A essência do tema dialoga com o que vem sendo cobrado nos últimos anos no Enem, pois se trata de um debate sobre a inclusão e o respeito de grupos marginalizados. Em 2015, foram as mulheres; em 2016, pessoas que sofrem com a intolerância religiosa e também com o racismo. Então, por essa perspectiva, o tema não é surpreendente. Na verdade, há muitos anos se fala sobre uma proposta acerca da inclusão de pessoas com deficiência.”

Dicas para não fugir do tema

Os professores deram dicas de como um tema como esse pode ser abordado em uma redação do Enem de modo a demonstrar as cinco competências exigidas na prova:

  • Abordar diretamente a educação: O tema da redação não fala apenas sobre a população surda no Brasil, ela pede que o estudante fale especificamente sobre a “formação educacional” dos surdos. Por isso, candidatos que apenas abordarem a questão da marginalização dos surdos na sociedade em geral podem perder pontos pela fuga parcial do tema.
  • Inclusão é a palavra-chave: Para Saray Azenha, os argumentos dos candidatos, na hora de formular propostas de intervenção, devem passar pelo principal desafio em relação à educação dos surdos, que é inclui-los no sistema educacional. “Quando o aluno percebe que a palavra não é só surdo, tem que trabalhar o educacional, percebe que a escola precisa incluir, por esse mote ele vai conseguir fazer uma educação de qualidade.”

ATENÇÃO: a fonte das matérias publicadas neste blog, sempre será indicada. Caso tenha alguma dúvida sobre a matéria ou algo nesse sentido, peço a gentileza em entrar em contato com os responsáveis pela a fonte.

Fonte: site G1.com por Ana Carolina Moreno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website