Pernambuco aperfeiçoa tecnologia para inclusão social de deficientes auditivos

Um software que permite aos deficientes auditivos se comunicarem por meio de smartphones transformando texto em voz e vice-versa é a aposta do Governo de Pernambuco para ampliar a inclusão social dos portadores desse tipo de problema.

O desenvolvimento do projeto piloto, que vem sendo aperfeiçoado há dez meses, foi iniciado com a distribuição de 621 smarthones dotados do sistema a jovens de todo o Estado.

Entrando em sua segunda fase de testes, o projeto, que está sob a responsabilidade da Secretaria de Ciência e Tecnologia, ganhará um segundo edital que ampliará o número de usuários do sistema. A nova chamada do Programa Nambiquara Audição Digital, que prevê acesso ao software, desta vez sem a distribuição dos aparelhos de telefonia e internet móvel, será lançado ainda neste primeiro trimestre e tem como principal alvo os alunos das escolas públicas e privadas. A iniciativa é uma ação conjunta do Governo do Estado, Ministério da Ciência e Tecnologia e da empresa SofitexRecife.

O aplicativo, no entanto, já está disponível gratuitamente no Google Play para os deficientes auditivos que possuem smartphones com sistema operacional 2.2 ou superior. Para ter acesso ao serviço, no entanto, aqueles que baixarem o aplicativo pela internet têm que se cadastrar presencialmente na Secretaria de Ciência e Tecnologia, no Bairro do Recife, para terem seus números incluídos no servidor que dá suporte ao uso do software.

O superintendente de Inovação Tecnológica da Secretaria de Ciência e Tecnologia, Alexandre Stamford, disse que o aplicativo ainda está em fase de desenvolvimento e que o aumento no número de usuários é importante para testar a capacidade do servidor e solucionar possíveis problemas técnicos que posam ocorrer. “Por isso é importante que tenhamos um número elevado de inscritos no Nambiquara e a partir daí fazer os ajustes necessários na sua operacionalização, inclusive no sistema de reconhecimento de palavras e expressões tipicamente locais”, afirmou.

Stamford explicou que o sistema funciona com decodificação de mensagens de texto em mensagens de voz e vice-versa. Ao ligar para uma pizzaria, por exemplo, a ligação será encaminhada para um servidor, onde está rodando o software. É esse programa que vai interpretar cada palavra da mensagem e substituí-la por arquivos de voz do seu banco de dados e enviar essa mensagem de voz para o atendimento da pizzaria. Da mesma maneira o atendente da pizzaria poderá responder a ligação e o software vai fazer o caminho inverso, ou seja, interpretar as palavras do atendente e codificando-as em mensagem de texto.

Durante a primeira etapa, 621 smartphones foram distribuídos a jovens de todas as regiões do Estado, a partir da articulação feita pela Superintendência de Apoio à Pessoa com Deficiência (Sead) junto a prefeituras, associações e conselhos municipais de pessoas com deficiência, entre outras instituições, para que os surdos participassem como voluntários. A Sead também participou da seleção dos beneficiados e da capacitação deles para o uso da tecnologia. Na época, os alunos de escola pública tiveram prioridade.

Fonte: site Quer saber Política por Fanésio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website