Meningite mata dez por mês

Descrição da imagem: foto de um garoto que ficou tetraplégico por causa da doença.A vacina gratuita está disponível apenas para crianças de até 2 anos no Brasil, mas a meningite atinge todas as idades. O público de 5 a 69 anos representa hoje 82% dos infectados por um dos tipos da doença, a meningocócica, que começou a receber imunização há cinco anos. Segundo especialistas, ampliar a faixa etária da vacinação no sistema público é a única forma de reduzir a incidência da infecção, que evolui rapidamente causando sequelas graves e mortes.

Apesar de a primeira vacinação ter ocorrido há quase 15 anos, uma média de dez pessoas morrem por mês por causa da meningite – em um universo atual de 93 casos mensais em Minas, segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). A doença afetou 18.602 pessoas no país em 2013 – 1.728 delas morreram –, está longe de ser erradicada, e não há previsão de ampliar a vacina.

“Para reduzir a incidência e a gravidade da doença, é preciso ampliar a cobertura vacinal gratuita para adolescentes e adultos”, avaliou a professora da faculdade de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Lílian Diniz. Segundo ela, para se chegar ao diagnóstico o mais rapidamente possível, também é importante difundir formas de prevenção e sintomas. “Os sinais iniciais da meningite meningocócica são sentidos nas primeiras 12 horas, mas em 24 horas a doença geralmente evolui para a morte ou deixa sequelas, sendo a surdez a principal delas”, pondera.

Coordenadora estadual de Doenças e Agravos Transmissíveis da SES-MG, Janaína Almeida afirma que um dos maiores desafios é evitar a transmissão. “Quem está perto do portador deve tomar precauções e se tratar com antibiótico. Mas também é preciso identificar a meningite rapidamente para prevenir outros contágios”, pondera.

Vacinação. Há dez anos, ainda bebê, Pedro Arthur, 11, teve a meningite meningocócica C e ficou tetraplégico. Desde então, o pai, Rodrigo Diniz, luta para instruir outras famílias e ampliar a cobertura vacinal no país. “Uma criança vacinada protege pelo menos duas pessoas, que são os pais dela. Para acabar com a meningite, precisamos estender a vacina até os 25 anos de idade, como ocorre nos Estados Unidos”, destacou.

A professora da UFMG defende que todos que puderem devem buscar a vacinação, mesmo que precisem pagar pela imunização. “O ideal seria fazer estudos para saber o comportamento da doença e identificar faixas etárias que estão sendo atingidas e devem ser vacinadas”, afirmou a professora da UFMG.

De forma pioneira, a meningocócica C começou a ser imunizada em 2009 em Minas. Mas a vacina só previne contra o sorotipo C, o mais frequente no país. Segundo Lílian, já existe uma vacina que atinge vários tipos de meningocócica.

O Instituto Pedro Arthur – Brasil sem Meningites já recolheu 780 mil assinaturas para que a vacina contra a meningocócica C seja substituída pela mais ampla. “A meningite B chegou ao Brasil, e já temos vários casos e mortes”, explica Diniz. 

Casos especiais
Grátis
. Além dos pequenos, portadores de Aids, câncer e doenças crônicas podem buscar a imunização gratuitamente. O Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais, na Santa Casa BH, fornece vacinas para quem tem quadro clínico com maior possibilidade de adquirir infecções. 

Fonte: site do Jornal O Tempo por Joana Suarez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website