Esportes reintegram deficientes visuais no Instituto dos Cegos da PB

Descrição da imagem: atletas comemorando a vitória com medalhas de ouro.Esportes como goalball, futebol de 5, atletismo e natação são usados para a reabilitação e inclusão dos deficientes visuais na Paraíba. As atividades são desenvolvidas no Instituto dos Cegos da Paraíba Adalgisa Cunha (ICPAC), que completa 70 anos de funcionamento nesta sexta-feira (16).

Segundo o professor de futebol de 5, Antônio de Pádua, o esporte dá aos usuários do instituto a oportunidade de se distraírem, mas tmabém de se tornarem atletas de ponta. “O esporte grandifica muito e ajuda muito a criança. Os meninos daqui são feras”, comentou o professor.

Pádua lembra que três meninos que já passaram pelo Instituto dos Cegos hoje são destaques nacionais no esporte. “Zé Roberto, que hoje é professor de história daqui do instituto, também é da Seleção Brasileira de Goalball. Também temos Marquinhos e Severino Gabriel, o Bill, que integram a Seleção Brasileira de Futebol de 5”, explicou.

O Instituto também dispõe de aulas de educação física, fruto de uma parceria com um professor de judô e de uma academia formada com equipamentos doados. “Eles são preparados para o esporte e também para a vida em si”, garantiu o professor, que já foi técnico da Seleção Brasileira de Futebol de 5 e conquistou o ouro nas paralimpíadas de Atenas, em 2004, e Pequim, em 2008.

Entenda os esportes
No goalball, cada time joga com três jogadores e todos usam vendas nos olhos. Segundo o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), a quadra tem as mesmas dimensões da de vôlei e as partidas duram 20 minutos. De cada lado da quadra tem um gol com nove metros de largura e 1,2 de altura. Os atletas são, ao mesmo tempo, arremessadores e defensores. O arremesso, com as mãos, deve ser rasteiro e o objetivo é balançar a rede adversária.

A bola possui um guizo em seu interior, que emite sons para que os jogadores saibam sua direção. O goalball é um esporte baseado nas percepções tátil e auditiva e, por isso, não pode haver barulho no ginásio durante a partida, exceto no momento entre o gol e o reinício do jogo.

No futebol de 5, as partidas normalmente são disputadas em uma quadra de futsal adaptada, mas desde os Jogos Paralímpicos de Atenas também têm sido praticadas em campos de grama sintética. O goleiro tem visão total e não pode ter participado de competições oficiais da Fifa nos últimos cinco anos.

De acordo com a CPB, junto às linhas laterais são colocadas bandas que impedem que a bola saia do campo. Cada time é formado por cinco jogadores, sendo um goleiro e quatro na linha. Assim como no goalball, as partidas são silenciosas e a bola tem guizos para orientar os atletas, que usam vendas nos olhos.

Há um guia, o chamador, que fica atrás do gol, para orientar os jogadores, e que diz onde devem se posicionar em campo e para onde devem chutar. O jogo tem dois tempos de 25 minutos e intervalo de 10 minutos.

Música
Além do esporte, a música também é utilizada como método de reabilitação e inclusão de cegos. O instituto oferece aulas de iniciação musical, violão, teclado, canto, flauta, percussão e até danças populares como xaxado e ciranda. As aulas acontecem de segunda a sexta-feira e o local está se preparando para funcionar como um ponto de cultura em João Pessoa.

No local, são atendidas pessoas de 3 a 60 anos, tanto para preparar futuros músicos quanto para usar a música de forma terapêutica. “A música exerce uma influência muito maior nas pessoas cegas, que têm os ouvidos mais apurados. Eles têm uma sensibilidade musical e uma memória auditiva muito grande”, explicou o professor Marco Lima.

Fonte: G1.com PB por Krystine Carneiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website