Deficiente auditivo mostra superação e conquista títulos Brasil afora

Descrição da imagem: foto do Jadir que é deficiente visual, ele está segurando uma bandeira nas cores: branca, azul, verde e vermelho (cada cor em uma listra) ao fundo um banner sobre os jogos e em seu pescoço a medalha de campeão.Mais do que motivação, o mineiro Jadir José da Silva, de 53 anos, encontrou prazer no esporte. O deficiente auditivo corre há 13 anos e motivos não faltam para continuar na prática diária da atividade. Prova disso, é o título conquistado  na corrida JF Paralímpica, em Juiz de Fora, no mês de julho. Ao subir nós pódio, conquistar medalhas, Jadir  melhora a qualidade de vida e o desempenho no emprego. 

– Trabalho na construção civil e os treinos me ajudam a ter maior motivação na vida. Me distraio, faço amigos, melhoro minha saúde. Gosto do esporte porque me sinto feliz correndo. Se eu não correr, me sinto mais nervoso, o que me atrapalha no emprego. Para mim, corrida é um vício bom – explicou.

Além desses benefícios, Jadir também encontrou outra maneira de vencer desafios. E o primeiro foi aliar a corrida com conquista de títulos e integrar um ranking, já que a região da Zona da Mata não premiava deficientes auditivos, apenas os visuais.  

– Fui até a Secretaria de Esportes para perguntar sobre o motivo de não existir premiação, e me explicaram que depende da organização de cada competição adotar ou não. Hoje, em Juiz de Fora  está determinado no regulamento do Ranking de Corridas de Rua que todas as provas ranqueadas devem promover premiação para atletas com deficiência. Com isso, foi criado o JF Paralímpico, programa no qual faço parte e participo de quase todas as provas do ranking. Além disso, viajo para os Jogos de Minas para participar das corridas de longa distância e procuro participar de grandes provas no Rio de Janeiro e Belo Horizonte – disse o corredor.

Cada competição é uma superação. Na mais recente que ele disputou (a Meia Maratona do Rio de Janeiro) foi campeão ao completar o percurso de 21km em 1h42. Mas a conquista não foi fácil. Para trazer a medalha para Juiz de Fora, ele enfrentou várias dificuldades na tradicional prova do calendário brasileiro.

– Quando cheguei em primeiro, eu não acreditei. Eu estava machucado e sabia que o nível dos atletas que participaram da prova era muito alto. Foi uma sensação muito boa, de superação. A cada ano vejo o esforço dos meus treinamentos recompensados pelos resultados que venho obtendo. Na Volta da Pampulha, em BH, em 2012, fiquei em 3º lugar,  na Corrida de São Sebastião, no Rio de Janeiro, fiquei em primeiro. Também participei da São Silvestre por duas vezes também. Pra mim a meta é sempre completar a prova, principalmente nestas grandes corridas. Penso sempre nisso e em trazer bons resultados para Juiz de Fora – comemorou.

E ele vai seguir se preparando para as próximas competições. Neste fim de semana, Jadir garantiu o quarto lugar na corrida de 10km de Barbacena após fazer o percurso em 47 minutos. Agora ele encara a Meia Maratona Internacional do Rio de Janeirono dia 31 de agosto e, em dezembro, participa da Volta Internacional da Pampulha, na capital mineira. E assim, com paixão e foco no esporte, Jadir continua correndo. Não com visão na fama ou nos prêmios, mas na superação.

* Colaborou Thulio Oliveira sob supervisão de Hismênia Pacheco.

Fonte: site do Globo EsporteDivinópolis, MG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website