Santa Casa demite deficientes visuais do setor de raio-X

Todos os deficientes visuais que trabalhavam no setor de raio-X da Santa Casa foram demitidos, gerando um clima de revolta entre os ex-funcionários. O grupo de cinco pessoas total ou parcialmente cegas, que atuavam com revelação de chapas na seção de radiografia, perdeu seus empregos no final de setembro. O Sindicato dos Técnicos em Radiologia, que tem sede em Ribeirão Preto, e o Ministério do Trabalho foram acionados para tentar esclarecer o caso.
 
Segundo os ex-funcionários, a Santa Casa teria prometido que eles poderiam ser transferidos de funções, quando fosse realizada a digitalização do processo de revelação das chapas, e que não seriam demitidos. “Mandaram a gente embora da forma mais covarde do mundo. Tinham prometido transferir a gente de função, porque, com a digitalização, não teria mais nosso cargo”, disse uma funcionária demitida, que pediu para não ser identificada.
 
A ex-funcionária diz que todos os deficientes visuais do setor foram demitidos e essa era a divisão que mais tinha deficientes empregados. Ela alega que a cota não é cumprida na instituição. “Acho que eles discriminaram a gente e agora vão estar mais longe ainda de cumprir a cota”, reclamou a trabalhadora.
 
De acordo com o auditor fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego de Franca, Fernando Miguel da Silva, a Santa Casa deveria contratar 86 pessoas com deficiência, porém, só empregou 31. O dado se refere ao mês de agosto e o cálculo é feito com base no número total de funcionários, que era de 1.757 pessoas.
 
Outro funcionário demitido, que também pediu para não ter o nome divulgado, está dependendo do Fundo de Garantia para sobreviver, já que sua mulher também está desempregada. “Por causa da lei das cotas, estávamos confiantes que não seríamos mandados embora.”
 
De acordo com a auxiliar administrativa do Sindicato dos Técnicos em Radiologia, Elisa Carvalho Cavassa, foi protocolado no dia 8 de outubro, no Ministério do Trabalho e Emprego de Franca, um pedido de reunião com a gestão da Santa Casa. Até o início da semana passada, o encontro não havia sido agendado.
 
A assistente social da Sociedade dos Cegos, Cristina Alves Moreira, disse lamentar o ocorrido. “O deficiente compete de um modo desigual, essa demissão prejudicou muito os deficientes e suas famílias”, disse a assistente.
 
Justificativa
A reportagem entrou em contato com a Santa Casa para questionar o motivo das demissões, também sobre a promessa de remanejamento de setor, o cumprimento da lei de cotas para deficientes e a possibilidade de novas demissões. Por meio da assessoria de imprensa, o hospital disse apenas que está sendo concluído o processo de digitalização do setor de raio-X e, assim, as câmaras escuras para revelação das antigas chapas não existirão, sendo necessária a demissão dos deficientes visuais.
 
Demissões
Em agosto, a Santa Casa de Franca iniciou um processo de demissões para conter despesas, dispensando um total de 117 pessoas, de acordo com a assessora de imprensa do complexo hospitalar. O número corresponde a aproximadamente 6% do quadro total, e a Santa Casa assegurou estar pagando “religiosamente” todos os direitos trabalhistas. O Sinsaúde (Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de Franca e Região) confirmou também que os demitidos têm recebido os direitos trabalhistas. 
 
Fonte: site GCN por Lydia Rodrigues – Foto: Wilker Maia/Comércio da Franca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website