Portadora de microcefalia quer levar a inclusão para outro nível: o das passarelas

Ana Victória Lago nasceu com microcefalia em uma época sem muita informação sobre a doença. Para a mãe, Viviane Lima, receber esse diagnóstico não foi fácil e, apesar de todas as dúvidas, ela sempre procurou o melhor para a filha. Victória cresceu cercada de amor e autoconfiança e hoje, aos 17 anos, está prestes a dar mais um salto na luta a favor da inclusão social. Ela fez seu primeiro book de modelo e pretende estreiar nas passarelas da  Fashio  Rio.

A microcefalia é uma condição neurológica em que o crânio da criança é menor que o normal. Em 2015, por conta da epidemia do vírus da Zika, houve um crescimento drástico no número de casos em todo o Brasil. Desde então, passou-se a falar mais sobre o assunto. Mas, ainda assim, existem muitas dúvidas sobre as causas e o tratamento.

Além de Ana Victória, Viviane é mãe de Júlia Fernanda (10) e Ana Luiza (15), também portadora da microcefalia. Por isso, para ela, ver a filha encarar uma sessão de fotos para dar início à tão sonhada carreira de modelo significa “preparar caminhos para essa nova geração de pessoas com microcefalia”. “A inclusão começa com a família, quando lutamos pelos direitos das pessoas com deficiência em todas as áreas. Não podemos ficar só nas palavras, temos que agir também. E foi o que sempre fiz durante toda a vida das minhas filhas. Sempre busquei dar a elas o que é de direito, sempre quis colocá-las em todos os lugares. Essa é uma etapa nova e, como eu digo, é levar a inclusão a outros níveis”, comentou Viviane.       

Projeto
A ideia de tornar Ana Victória modelo foi de Creusa Rodrigues, coordenadora da agência de modelos BM Models, que há um ano trabalha com pelo menos 30 crianças deficientes. Creusa entrou em contato com Viviane pelas redes sociais para convidar Victória e Ana para participarem da exposição “Arte sem preconceito”, evento que acontecerá no mês de março, também com a  finalidade de inclusão.

Assim que viu Victória, Creusa teve a ideia de colocá-la para participar da seleção para a Fashion Rio 2017 – evento de moda inclusiva, previsto para acontecer em junho, no Rio de Janeiro, onde pelo menos 50 estilistas escolhem, cada um, 20 modelos com algum tipo de deficiência para desfilarem com peças produzidas por eles. Para participar da seleção, as agências devem enviar book fotográfico das modelos diretamente para a coordenação do evento.

“Eu vi potencial na Victória assim que a encontrei pela primeira vez. A simplicidade e o jeito dela dizer que é bela e não tem defeito me encantou. Hoje, crianças e jovens têm muitos sonhos, e quando se tem uma mãe igual à da Victória, que corre atrás e incentiva, eles conseguem realizar muitas coisas. E nós estamos aqui também para dar essa sustentação. Victória tem tudo para brilhar, pelo jeito dela, pela essência natural dela”, comentou Creusa.

‘Forcinha’ pelas redes sociais
Apaixonada por dança, Victória ficou entusiasmada com a possibilidade de se tornar uma modelo. Os pais, como sempre, decidiram apoiá-la. A mãe, Viviane, foi para as redes sociais e contou a novidade para os seus seguidores. E, em poucos dias, conseguiu fotógrafo, maquiadora e cabeleireira: todos voluntários para a produção do book da jovem. Além de looks oferecidos pela loja M2 para a menina usar na sessão de fotos.

“Eu já pensei muitas coisas, mas nunca tinha imaginado a Victória como modelo. Ela gosta muito de dançar, mas as coisas acontecem na hora certa. Com um olhar técnico, a Creusa viu que ela não nasceu só para dançar, ela nasceu para algo a mais. Então vamos trabalhar para isso”, disse a mãe. 

Emocionada, Viviane relembrou quando recebeu o diagnóstico da filha com microcefalia. Na época ela tinha apenas 18 anos, muitas dúvidas e pouquíssimas informações sobre a condição neurológica, mas decidiu fazer da dor, motivação. “Quando você recebe um laudo de microcefalia, você passa a ter muitos sonhos e um desses sonhos é que a sua filha viva, que seja feliz, que faça parte da sociedade como qualquer outra pessoa, que ela seja respeitada e reconhecida como cidadã. Pra mim, isso é o que vale”.

Sobre a filha se tornar uma modelo profissional, Viviane afirma que o mais importante é a felicidade dela. “Estar aqui com a Ana Victória, de 17 anos, tirando  fotos, é a realização de um sonho. O que vai ser daqui pra frente? Eu aprendi a viver de 24h em 24 horas. Ou seja, o que vai vir daqui pra frente é o que Deus permitir. As portas vão se abrir e a Ana Victória vai poder levar a inclusão social para outro nível”, completou.

Quem desejar saber mais sobre a vida ou até mesmo contribuir para essa nova etapa de Ana Victória pode curtir a página dela no Facebook.

Parceiros voluntários
Para realizar o ensaio fotográfico, Ana Victória contou com o apoio de amigos que fizeram questão de participar desse momento tão importante. A sessão de fotos aconteceu no studio Fazz.Art, com o fotógrafo Michael Dantas. Diane Medeiros foi a cabeleireira responsável e Samanta Moreira a maquiadora. Ana Victória usou roupas da loja M2.

Procura-se patrocínio
A exposição ‘Arte sem preconceito’ acontece de  30 de março a 5 de abril, na Casa das Artes. “Nós queremos mostrar a essência de cada criança e mostrar para sociedade que elas são capazes de estarem no mercado de trabalho. Queremos fazer um evento de qualidade e, por isso, estamos em busca de patrocinadores”, disse Jacilede Feitosa, coordenadora do evento.

Fonte: site A Crítica por Lorena Serrão com foto de Antonio Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website