Estudante jaraguaense cria projeto para que pessoas com deficiência pedalem

Projeto desenvolvido pelo estudante de design, Wando Pickcius, ajuda pessoas sem um dos membros inferiores a andar de bicicleta

A ideia pode parecer simples, mas já no primeiro teste fez uma grande diferença na vida da arquiteta Cristiana de Souza. Com o equipamento projetado pelo estudante de design Wando Pickcius, Cristiana pode novamente sentir o prazer de pedalar. E esse foi o objetivo dele: desenvolver uma ferramenta para auxiliar pessoas que não possuem um dos membros inferiores, estejam elas utilizando ou não a prótese, a guiar uma bicicleta.

O projeto, realizado durante o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na Católica de Santa Catarina, surgiu quando Pickcius caminhava pelo centro de Jaraguá do Sul e observou um rapaz andando de bicicleta com muita dificuldade, por não ter uma das pernas. “A princípio, pensei em fazer uma bicicleta completamente nova, porém, depois de alguns estudos, vimos que um pedal de contrapeso seria o ideal”, aponta o estudante.

Para chegar ao resultado, o jovem se aprofundou em ergonomia e fez pesquisas de mercado, onde constatou que ainda não existia nenhum equipamento semelhante em desenvolvimento.

Em essência, o dispositivo, conforme Pickcius, segue a teoria do “moto-contínuo” (máquinas que reutilizam indefinidamente a energia gerada por seu próprio movimento) . “O pedal vai ficar para baixo, o usuário pode até apoiar a prótese nele. Para funcionar, ela precisa dar o impulso com uma das pernas, vai girar e na hora que o pedal adaptado subir, ele desce com o peso aplicado e completa o ciclo”, explica Pickcius.

De volta ao pedal

Cristiana foi a primeira pessoa a testar o pedal. Ela nasceu sem a parte inferior da perna direita por causa de uma síndrome congênita e usa prótese desde criança. Com cinco anos de idade, ela já pedalava pelas ruas da cidade. Em 2009, devido a mudanças no material ortopédico, o médico que acompanha seu caso a informou que ela não poderia mais andar de bicicleta. “Foi muito complicado, comecei a fazer academia para ganhar força na perna e voltar às atividades, mas mesmo com treinos, não conseguia pedalar como antes”, relata.

Com amigos em comum, o estudante entrou em contato com a arquiteta para convidá-la a participar do projeto piloto. Desconfiada, Cristiana custou a acreditar que a ideia funcionaria e se surpreendeu. “O contrapeso ajuda muito. Logo no dia do teste, consegui subir o morro pedalando, foi muito gratificante porque achei que não seria mais capaz. Voltei a ser criança e pedalar com prazer”, afirma.

Aprovado na banca do TCC, Pickcius agora se dedica às correções do projeto. Ele pretende melhorar o design do produto e deixá-lo mais leve. O contrapeso pode ser instalado em qualquer pedal com tamanho dentro dos padrões.

Além de aplicar os métodos da área de design, o estudante acredita ter contribuído para inclusão das pessoas com dificuldades de locomoção na sociedade. “É um impulso a mais para elas praticarem atividades físicas e usar o meio de transporte alternativo. Fiquei muito feliz com resultado e mais ainda quando vi a Cristiana pedalando”, observa.

Fonte: site OCP Online por Dyovana Koiwaski com fotos Piero Ragazzi).

ATENÇÃO: a fonte das matérias publicadas neste blog, sempre será indicada. Caso tenha alguma dúvida sobre a matéria ou algo nesse sentido, peço a gentileza em entrar em contato com os responsáveis pela a fonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website