Especialista alerta sobre preconceito no convívio social em relação às pessoas com gagueira

GagueiraFonoaudióloga também oferece dicas de como a população pode lidar com as pessoas que apresentam sinais de disfluência

 Apesar do avanço nas relações sociais, ainda hoje, pessoas sofrem preconceito e enfrentam problemas por terem gagueira. A população em geral dispõe de pouco conhecimento sobre a disfluência, comumente conhecida como “gagueira”. Dessa forma, a pessoa com gagueira acaba sofrendo preconceito na hora de buscar uma colocação profissional, em uma entrevista de emprego, no ambiente de trabalho ou em seu ambiente de convívio familiar e social.

“A pessoa que gagueja sempre é motivo de piada e brincadeiras e, muitas vezes, não é levada a sério devido à dificuldade de fala”, explica Sabrina Möller Martinho, fonoaudióloga do Grupo Microsom, uma das mais conceituadas empresas de soluções auditivas do Brasil e a única que oferece tecnologia para tratar gagueira,o SpeechEasy.

Segundo o Instituto Brasileiro de Fluência (IBF), o problema central da gagueira consiste em uma dificuldade do cérebro para sinalizar o término de um som ou uma sílaba e passar automaticamente para o próximo. Sendo assim, a pessoa consegue iniciar a palavra, mas fica “presa” em algum som ou sílaba até que o cérebro consiga gerar o comando necessário para dar prosseguimento ao restante da palavra.

A gagueira é um distúrbio de fluência em que acontecem quebras ou rupturas involuntárias no fluxo da fala e que atinge 5% da população mundial. Desse total,1% desenvolve a gagueira de forma crônica, de acordo com o IBF. Em média, 10 milhões de brasileiros passam por um período de gagueira e, aproximadamente, 2 milhões de brasileiros gaguejam, há muitos anos, de forma crônica.

“A pessoa que gagueja sabe exatamente o que quer dizer, mas tem dificuldade na automatização e na temporalização dos movimentos da fala”, explica a fonoaudióloga. Segundo a especialista, a pessoa com gagueira não possui nenhum problema na boca ou na língua, nem dificuldade para elaborar o raciocínio, mas uma disfunção no cérebro que torna difícil a percepção de quando começa e quando termina um som. “Desta forma, a gagueira não está relacionada à inteligência e também não é contagiosa”, ressalta a especialista.

Além das causas neurológicas, estudos científicos também indicam que a gagueira é causada por múltiplos fatores, entre eles, o genético – em que pessoas da mesma família, de diferentes gerações, carregam o gene responsável pela gagueira, que pode ou não se manifestar, dependendo da interação com os fatores sociais e psicológicos aos quais a pessoa é exposta. “A gagueira também pode ter como causa fatores orgânicos, como disfunções ou lesões cerebrais”, diz a fonoaudióloga.

Atitudes simples podem ajudar na comunicação com pessoas que apresentam sinais de disfluência. Confira:

– Evite dizer coisas do tipo “fale devagar”, “respire” ou “relaxe”;

– Deixe a pessoa perceber que você está realmente prestando atenção ao que ela está falando (conteúdo), ao invés de como ela está falando (forma);

– Mantenha contato visual e esperar de forma natural e paciente até que a pessoa termine a sua fala;

– Não tente completar as palavras ou frase;

– Não force a pessoa que gagueja a falar em situações que ela teme;

– Jamais imite a gagueira, muito menos com ar de deboche;

– Somente aborde o assunto da gagueira se sentir abertura da pessoa.

Sobre o SpeechEasy

Para o tratamento da gagueira foi desenvolvido o SpeechEasy, um pequeno e discreto aparelho utilizado na região interna da orelha, que simula o “efeito coro” – um fenômeno natural e tema de muitas pesquisas há décadas. O “efeito coro” ocorre quando uma pessoa que gagueja fala ou lê ao mesmo tempo em que outra pessoa, reduzindo a gagueira.

O SpeechEasy, por fazer a voz do usuário alcançar o cérebro com um ligeiro atraso e com um tom diferente, fornece a sensação da pessoa estar falando ao mesmo tempo em que outro indivíduo, desencadeando o efeito coro, que reduz a gagueira. O produto favorece a fluência da fala em situações cotidianas, promovendo o bem-estar e melhor qualidade de vida ao usuário.

A tecnologia aplicada no SpeechEasy possibilita o aumento da fluência em diversas situações. No entanto, é importante ressaltar que o equipamento não é cura e sim um auxiliador no tratamento da gagueira.

Sobre o Grupo Microsom

         O Grupo Microsom é uma das mais conceituadas empresas de soluções auditivas e a única em tecnologia para tratamento da gagueira. A companhia foi fundada em 1991 e oferece soluções de bem-estar para pacientes com problemas auditivos.

         Desde 1994, o Grupo Microsom é o distribuidor exclusivo da empresa canadense de aparelhos auditivos Unitron Hearing. Com o intuito de oferecer novas e melhores soluções para o bem-estar, desde 2008, a companhia comercializa o SpeechEasy, aparelho para tratamento da gagueira. O SpeechEasy é um discreto aparelho que promove a fluência em pessoas que gaguejam e que é adaptado a partir da necessidade individual de cada paciente.

         Com a intenção de proporcionar um atendimento personalizado, o Grupo Microsom conta com profissionais altamente capacitados e oferece serviços diferenciados e especializados, em uma estrutura de primeira linha, com laboratórios equipados com os mais modernos recursos e ferramentas para confecção de moldes auriculares e aparelhos auditivos intra-aurais, além de uma ampla sala de assistência técnica, com equipamentos de última geração para avaliação, revisão e limpeza de circuitos digitais.

Fonte: site SEGS por  Analina Arouche.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website