Em meio à crise, sobram vagas para pessoas com deficiência em São Carlos

O número de postos de trabalho tem diminuído na região de São Carlos por causa da crise, mas as vagas para deficientes só aumentam.

A lei de inclusão social, aprovada em 2004, obriga toda empresa com mais de 100 funcionários a ter de 2% a 5% de suas vagas ocupadas por deficientes. Mas a medida, de acordo com o Conselho Nacional dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência Física (Conade), esbarra em algumas dificuldades.

Seleção
São consideradas deficientes as pessoas que apresentam perda ou irregularidade na estrutura psicológica, fisiológica ou anatômica que resulte em dificuldade no desempenho das atividades comuns do dia a dia, e as empresas tendem a procurar funcionários com deficiências mínimas.

“Ela é bastante criteriosa na hora dessa seleção, muitas vezes porque o funcionário com deficiência mínima ela julga mais qualificado”, disse a consultora em recursos humanos Luciana Crnkovic.

“E, por outro lado, ela tem que se adaptar menos a essa deficiência desse funcionário com uma deficiência menor. Então ela tem menos custo”, explicou Luciana, comentando como deveria ser a seleção.

“Isso devia ser uma forma assim: a pessoa é competente, ela tem todas as competências e habilidades necessárias para cumprir aquele cargo, por que não contratá-la? Por que não dar a ela essa oportunidade, como qualquer outra pessoa? Porque ela está ali no mercado de trabalho, disponível, competente, para estar naquela função como qualquer outra”.

Benefício do INSS
Com o passar dos anos, aumentou a participação dos deficientes no mercado de trabalho, mas o que mais chama a atenção é que a quantidade de vagas disponíveis é muito maior.

Em 2014, foram 1.249 contratados para 43.077 vagas abertas. No ano passado, foram 1.327 admissões para 27.737 oportunidades de trabalho e, de janeiro até setembro deste ano, foram contratadas 777 pessoas com deficiência, quando havia 16.536 vagas abertas.

Outro motivo para o número baixo de contratações é o medo da pessoa com deficiência de perder o benefício do INSS. “Falta um pouco de informação”, comentou o presidente da União dos Paratletas de São Carlos, André Luiz Carlos. 

“O portador de deficiência que quiser voltar ao mercado de trabalho vai perder o benefício em dois anos. A cada seis meses ele perde um quarto do valor. Se ele parar de trabalhar ou se a empresa fechar, ele volta a receber o benefício”, explicou.

Mercado
Tiago José Denardo tem curso de computação, de auxiliar administrativo, ensino médio completo e uma vontade imensa de trabalhar, mas continua desempregado. “Eu quero ser uma pessoa normal, trabalhar e receber o meu próprio dinheiro”, afirmou.

Márcio do Amaral Nishiyama também sabe o que é ficar desempregado. Ele é formado pela Universidade de São Paulo (USP) em sistemas de informação e logo que saiu da faculdade não conseguiu uma colocação no mercado. “Eu encontrei bastante dificuldade para encontrar um trabalho na área privada”, contou.

Há dois anos, ele prestou concurso público para uma vaga de assistente administrativo no Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), em São Carlos, e passou. Ele cumpre a jornada, trabalha muito e prova que é capaz.

“Limitação acho que não é nossa deficiência, mas é das pessoas que não abrem essa oportunidade da gente mostrar do que a gente é capaz”.

Fonte: site G1.com São Carlos e Araraquara com foto de Marlon Tavoni/EPTV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website