Deficientes visuais utilizam audiolivros para estudar, em Porto Velho

Os deficientes visuais, em Porto Velho, dispõem de mais de 400 audiolivros doados para a Biblioteca Municipal Francisco Meireles, localizada na região central da cidade. A biblioteca disponibiliza ainda 1.200 livros escritos em braille. De acordo com a pedagoga Genoveva Brasileiro, o projeto  Acessibilidade Cidadã  teve início no ano de 2013.

A pedagoga explica que o projeto ainda trabalha informalmente com a ajuda de alguns orgãos públicos, e em parceria com a Associação dos Deficientes Visuais  do Estado de Rondönia (Asdevron).“Nosso primeiro passo foi contactar a Asdevron e assim fazer parcerias, trazendo os cegos para a biblioteca. Hoje atendemos, em média, 30 deficientes visuais que dispõem de diversos temas para lerem em braille ou até mesmo ouvirem, possibilitando assim que eles estudem”, ressaltou.

De acordo com a pedagoga, além de livros religiosos como a Bíblia e literatura brasileira, outros  gêneros também são bem procurados, como os de literatura estrangeira, um dos mais recentes disponibilizados na biblioteca e o “Cinquenta tons de cinzas” , que atraiu milhões de jovens aos cinemas e livrarias de todo o mundo, em fevereiro deste ano.

Foto de vários livros em pratilheiras em uma biblioteca.

Para a psicóloga Waldeci Barbosa, a deficiência não impõe limites. Ela possui apenas 5% da visão e conta que não deixa de ir à biblioteca ler livros ou escutá-los, sua monografia da faculdade partiu de um livro que ouviu, de um psicólogo que fala da importância da familia. “O livro que eu mais gostei de ouvir foi o do escritor Luis Dafonte, que defende e aborda o campo da familia. Já me formei, mas o audiolivro continua comigo pois sempre escuto, foi uma novidade que me ajudou muito quando eu estudava na faculdade, continua ajudando na minha pós-graduação”, afirmou Genoveva.

O presidente da Asdevron, Carlos Rodrigues,  explica que os audiolivros foram uma novidade ótima para os deficientes, que estão se apriomorado cada vez mais na educação. “Como a maioria dos cegos estudam, os livros em aúdio facilita para aqueles que gostam  de ler, porém não possuem tempo, pois se não entender de imediato é so voltar a faixa e ouvir até entender. Quando lemos em braille precisamos de um lugar calmo onde não haja barulho, porque do contrário atrapalha a concentração e não compreendemos nada ”, disse.

Para o Presidente do Conselho da Pessoa com Deficiência, Emerson Bezerra, com os audiolivros fica mais fácil gravar a informação. “Não e só com os livros em braille que conseguimos aprender, os audiolivros fazem com que possamos gravar com mais facilidade o conteúdo que o livro aborda, mesmo que seja complexo, passamos a  ouvir melhor, levamos  no mínimo  uma hora só para ouvir alguns capítulos e compreender o que facilita quando estamos atarefados no dia-a-dia”, afirmou Bezerra.

Braille
O Braille é baseado na formação de seus pontos e relevos, que permite a representação do alfabeto, dos números, da simbologia cientifica, da fonética,  musicografia e informática. Esse sistema se adapta rapidamente à leitura tátil, pois cada caractere pode ser percebido pela parte mais sensível dos  dedos, por meio de apenas um contato.

Fonte: site G1.com RO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website