‘Biblioteca Braille’ recebe Prêmio Ser Humano de associação brasileira

A Secretaria de Estado de Cultura comemora a segunda colocação do projeto “Biblioteca Braille do Amazonas – Educação, Cultura e Acessibilidade” no Prêmio Ser Humano ABRH Amazonas 2015, realizado na noite desta quinta-feira (15), durante o 15º Congresso Amazônico de Gestão de Pessoas.

O projeto concorreu com outros dois como finalista ao Prêmio Ser Humano ABRH Amazonas 2015, ficando em segundo lugar. O primeiro lugar foi para o projeto de “Prevenção à Saúde” da empresa Whirlpool LatinAmerica e o terceiro lugar para o projeto “Novos Caminhos”, da Moto Honda da Amazônia.
 
Quem recebeu o prêmio pela Secretaria de Estado de Cultura foi o gerente da Biblioteca Braille, Gilson Mauro, acompanhado do diretor de Bibliotecas da Secretaria, Sharles Costa, que ficaram emocionados e agradeceram a conquista ao secretário de Estado de Cultura, Robério Braga, por ter acreditado no “sonho”.

“Acreditamos no projeto da Biblioteca Braille desde 1999, quando o implantamos. E só temos colhido bons frutos, porque a inclusão cultural é um ato de cidadania, de respeito à população”, defendo o secretário de Cultura do Amazonas, Robério Braga.
 
Instituído pela ABRH Amazonas no ano de 2010, o Prêmio Ser Humano ABRH Amazonas – Ozeneide Casanova Nogueira tem como objetivo incentivar, reconhecer e premiar empresas que dedicam tempo e talento para desenvolver práticas criativas e aplicáveis que valorizam as pessoas dentro e fora das organizações.
 
Para o governador do Amazonas, José Melo, esse prêmio é uma conquista para a cultura do Amazonas: “Vem para brindar o nosso Estado pelo trabalho desenvolvido pela Secretaria de Estado de Cultura no quesito acessibilidade, que é a palavra de ordem em todas as áreas do conhecimento. E a inclusão cultural caminha lado a lado com a inclusão social, ou seja, é necessária ao homem em sua formação plena”, concluiu.
Biblioteca Braille

Antes parte da Biblioteca Pública do Amazonas, onde foi implantada pelo então Governo do Amazonas  em 1999, a Biblioteca Braille atualmente está localizada no Sambódromo (Avenida Pedro Teixeira – 2565 – Bloco “C”, Alvorada I), epromove a integração e a inclusão de pessoas com deficiência visual há 16 anos. A Biblioteca Braille funciona de segunda a quarta-feira, das 8h às 17h  

Referência na região Norte

A Biblioteca Braille dispõe de caminho tátil, sinalização sonora, rampa de acesso para usuário de cadeira de rodas e equipamentos especiais para pessoas com deficiência visual, de baixa visão e idosas, possui um grande acervo de 1000 títulos em Braille à disposição, para consulta e 4337 livros em áudio (formato MP3 e Daisy) que oferece mais autonomia ao leitor  com deficiência. Com o programa de leitura, é possível parar na página lida e dar sequência à leitura na mesma página em que foi interrompida.

Para frequentá-la e fazer uso de seus serviços, basta que o deficiente visual realize um cadastro na biblioteca, apresentando Carteira de Identidade, Cadastro de Pessoa Física e comprovante de residência.

A Biblioteca Braille oferece, também, lupas eletrônicas (com mouse e com pedestal), exibição de filmes dublados, serviço de transcrição de apostilas em tinta para o Braille, gravação de livros e apostilas, computador com programas DOX VOX e Virtual Vision e sala pedagógica com brinquedos didáticos, mini-instrumentos musicais, painel de texturas, livros, gibis, jogos e atividades culturais, priorizando a educação, o ensino e a pesquisa.

Atualmente, são oferecidas aulas gratuitas de violão e teclado, além de curso de Sistema Braille, informática e treinamento de captação para produção de livros falados, Braille e tecnologias assistivas. 

“O frequentador mais novo da biblioteca tem 8 anos e o mais idoso tem 65 anos. Todos os deficientes visuais podem frequentar a Biblioteca Braille, que tem como foco de trabalho a transformação social por meio da educação inclusiva e da superação de preconceitos”, declarou o secretário de Estado de Cultura, Robério Braga.

Mais atividades no Congresso

Durante o 15º Congresso Amazônico de Gestão de Pessoas, que acontece até hoje (16), no Studio 5, a Secretaria de Estado de Cultura montou um estande para informar a comunidade sobre as ações culturais de 2015 / 2016, com enfoque nas ações de acessibilidade cultural. Lá estão, por exemplo, equipamentos da Biblioteca Braille dispostos, além de jogos pedagógicos e brinquedos educativos, destinados às crianças com deficiência visual.

No estande da Secretaria de Cultura o público poderá participar gratuitamente de uma “Oficina de Pintura”, com instrutor do Liceu de artes e Ofícios Claudio Santoro e terá acesso a obras do projeto “Mania de Ler”.

A abertura do Congresso foi embalada pelo Coral do Amazonas, desde a execução do Hino Nacional Brasileiro até músicas regionais. À noite, foi a vez dos músicos da Amazonas Jazz Band darem um tom especial ao evento.

Para fechar com talento e profissionalismo, hoje, às 19h, o evento terá a palestra do diretor dos Corpos Artísticos do Amazonas e maestro adjunto da Orquestra Filarmônica do Amazonas, maestro Marcelo de Jesus, que abordará o tema “Ressignificar o passado. Simplificar o presente. Ampliar o futuro”.

Para mais informações sobre outras ações, projetos e atividades desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Cultura, acesse facebook.com/culturadoamazonas e o Portal da Culturawww.cultura.am.gov.br

Fonte: site A Crítica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website